ESTUDOS BIBLICOS







Web Radio Gospel Da Covilha - ((( Portugal))) Sua Amiga De Todos As Horas



quinta-feira, outubro 28, 2010

Consolados para consolar...



 Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus.
2 Coríntios 1:4

O tempo sempre te algo para nos ensinar. E uma das coisas que tenho aprendido é que cada provação que eu enfrento, me dará bagagem para ajudar alguém no futuro. Isso é muito precioso para mim.

Não sei se você passa por isso também, mas nem toda provação me fornece experiência para enfrentar provas que venham surgir no futuro. Parece que cada luta se difere tanto da anterior que às vezes parece capricho divino permitir que a tempestade chegue. Mas uma coisa que concreta é a possibilidade de compartilhar suas experiências para injetar ânimo nos outros! Acredite nisso, sempre existirão pessoas passando por algo que você já enfrentou. E a experiência adquirida desta situação é a forma que Deus lhe usará para ajudar esta pessoa a sobreviver.

Deus te consola para você também consolar! Compartilhe suas experiências e colabore com a edificação da Igreja de Jesus Cristo!

Deus te abençoe!

sexta-feira, outubro 22, 2010

Confiando em Deus e não no homem

 Apenas Deus pode dar todas as coisas que o homem precisa aqui e na eternidade.
Mateus 6.33 diz :”Buscai pois em primeiro lugar o reino de Deus, e todas as coisas vos serão acrescentadas.”
Para termos todas as coisas, precisamos confiar em Deus. Vejamos alguns motivos para confiarmos em Deus:
2º Samuel 22.33 : "Deus é a minha fortaleza e a minha força e ele perfeitamente desembaraça o meu caminho." 

Você sabe o que é ter alguma coisa embaraçada?
Meninas de cabelos embaraçados; linhas de anzol embaraçadas?
Você já esteve perdido, já teve dúvidas em qual caminho seguir? 
Qual decisão tomar?
Quantas decisões precisamos tomar todos os dias?
Deixe Deus decidir por você. 
A benção será a certeza que estaremos no caminho certo.
Os caminhos do mundo são de portas largas que parecem serem boas, mas são de morte, porque o mundo jaz no maligno e nos leva a pecar, e o salário do pecado é a morte. 

Por elas passam toda maldade humana.
O outro caminho é o que conduz a vida eterna
. Difícil de caminhar, mas que conduz ao céu.
Confiar em Deus é certeza de andar por este caminho, de estar tomando a direção certa, tanto para as grandes, quanto para as pequenas decisões de nossas vidas.
Outro jeito que Deus tem para desembaraçar nosso caminho é tirando toda pedra de tropeço.
É limpando o caminho por onde vamos passar.
Estreita é a porta e difícil o caminho que leva a salvação e o diabo ainda coloca muitas armadilhas nele, coisas que vão nos confundir, vão provocar nossa queda, nos induzir a pecar, mas Jesus veio e destruiu todas as obras do diabo.
Confiar em Deus nos fará caminhar por caminhos tranquilos.
Isaías 40:31 diz: “Mas os que esperam no senhor , renovarão as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fadigam”.

O primeiro passo para caminhar com Deus é dar a Deus um voto de confiança .
Abrir a porta de nossos corações para que entre, faça morada e transforme a nossa vida.
Só abrimos a porta para quem confiamos e conhecemos.
Esta é a hora de mudar o rumo de nossa eternidade, é hora de confiar em Deus.
Você que está com sua vida atormentada, que não está tendo resultados dentro do esperado, você que tem a sensação de cansaço, de que não tem mais jeito, você que esta perto de desistir, Deus tem um propósito para você. Confie Nele.

sexta-feira, outubro 08, 2010

Silencio que fala...

Procura apresentar-te a Deus aprovado

Recomenda estas coisas. Dá testemunho solene a todos perante Deus, para que evitem contendas de palavras que para nada aproveitam, exceto para a subversão dos ouvintes”. 2Tm 2.14

Objetivos da Lição

Saber que o ministro do evangelho é um servo da Palavra de Deus, compartilhando sua mensagem sábia e corajosamente;
Reiterai que o obreiro deve defender incansavelmente a Palavra de Deus, tendo o cuidado de comunicar a verdade com precisão absoluta;
Evitar se envolver em discórdias teológicas, sabendo que são destrutivas e que só servem para a subversão dos ouvintes.

Texto de Referência

2Tm 2.15        Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se enver­gonhar, que maneja bem a palavra da verdade;
2Tm 2.16        Evita, igualmente, os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade ainda maior;
2Tm 2.17        Além disso, a linguagem deles corrói como câncer; entre os quais se incluem Himeneu e Fileto;
2Tm 2.18        Estes se desviaram da verdade, asseverando que a ressur­reição já se realizou, e estão perver­tendo a fé a alguns;
2Tm 2.19        Entretanto, o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os que lhe pertencem. E mais: Aparte-se da injustiça todo aquele que professa o nome do Senhor.


Como Lidar com os Falsos Mestres (2.14-19)

O que Promover (2.14,15)

Traze estas coisas à memória (14). As pessoas precisam ser lembradas constantemente das coisas que já sabem, mas correm o risco de esquecer ou negligenciar. É óbvio que Paulo está pensando na verdade que foi sua missão de vida proclamar; a responsabi­lidade que agora está em grande parte nas mãos de Timóteo. O pastor fiel terá de ser, por necessidade, um tanto quanto repetitivo nos destaques do seu ministério. Há muitas verdades importantes que só podem ser ensinadas pelo método "mandamento sobre mandamento, mandamento e mais mandamento, regra sobre regra, regra e mais regra". Paulo já havia exortado o jovem nesse sentido, e o que ele está dizendo agora é: "Conti­nue a lembrar essas coisas a todos" (NVI; cf. BV, CH); mantenha o bom trabalho.
Paulo fica mais explícito, revertendo a um tema que já tratara em 1 Timóteo 1: Ordenando-lhes diante do Senhor que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam e são para perversão dos ouvintes (14). O apóstolo está expressando novamente sua preocupação sobre a conduta dos autodenominados mestres na igreja efésia, cujas táticas promoviam controvérsia, amargura e divisão. Tal conduta teria o efeito de semear discórdia entre irmãos (cf. Pv 6.19). Isto "somente desmoraliza os ouvintes", como traduz Kelly as palavras: são para perversão dos ouvintes.
Paulo então trata Timóteo diretamente acerca do ministério deste: Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade (15). Sobre a frase procura apresentar-te a Deus aprovado, esta tradução mostra o verdadeiro significado: "Esforça-te arduamente em te mostrar digno da aprovação de Deus" (NEB). Isto tem a ver com as horas gastas no tipo de trabalho intelectual que é indispensável ao verdadeiro sucesso ministerial; mas também diz respeito à postura de ardor incansável que deve caracterizar a atitude do ministro para com sua missão. Scott vê nas palavras a Deus aprovado referência velada ao julgamento final, quando Timóteo enfim terá de prestar contas. A palavra grega traduzida por obreiro quer dizer, basicamente, trabalhador agrícola; por isso, as palavras que maneja bem são traduzidas pela expressão "que ara um sulco reto" (NEB). Mas seja qual for a imagem exata que a passagem queira mostrar, está claro que o apóstolo se preocupa que a Palavra de Deus seja submetida a exegese sadia e seu significado correto seja apropriadamente averiguado. Nada é mais essencial que isto para o manejo reverente da verdade bíblica.

O que Evitar (2.16-18)

Mas evita os falatórios ("as conversas vazias", BAB) profanos ("mundanos", NASB), porque produzirão maior impiedade (16). Esta é linguagem idêntica a 1 Timóteo 6.20. Paulo está denunciando novamente os falsos mestres que vinham promovendo dissensão na igreja de Éfeso. Eles estavam fazendo a obra de Satanás, e a familiaridade fingida que mostravam ter com a verdade oculta tinha o efei­to de profaná-la. O curso de ação de Timóteo deveria ser evitar tais ensinos. Nenhum acordo pode ser feito com o erro.
Esses falatórios "levam cada vez para mais longe do viver cristão" (CH), quer dizer, promovem a vida ímpia. O versículo 17 enfatiza a virulência de tais ensinos: E a palavra desses roerá como gangrena; entre os quais são Himeneu e Fileto. A palavra seria o "ensino" (NVI) desses falsos líderes. O termo gangrena também é traduzido por "cân­cer" (AEC, NVT, RA); ao passo que Phillips emprega a frase: "Pois os ensinos deles são tão perigosos quanto a gangrena para o corpo e espalham-se como pus de uma ferida" (CH). Eis um perigo mortal cuja ameaça não deve ser mal avaliada. Paulo nomeia dois indivídu­os em particular que se ocupavam em propagar esta infecção moral e espiritual: Himeneu, com quem já nos encontramos em 1 Timóteo 1.20 (além destas duas referências nada mais sabemos sobre ele); e Fileto, que encontramos aqui pela primeira e única vez.
O versículo 18 nos mostra a única indicação sobre a natureza do erro pertinente a essas pessoas: Os quais se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição era já feita, e perverteram a fé de alguns. Scott sugere dois possíveis significados para esta referência. "A idéia", diz ele, "pode ter sido que esta mesma vida, na qual a alma renascia de alguma vida e morte anteriores, era a verdadeira ressurreição. Ou, mais pro­vavelmente, eles interpretavam a doutrina cristã num sentido puramente espiritual; con­siderando que pela fé em Cristo os homens entram na vida imortal, a ressurreição não virá depois da morte, mas já aconteceu." A doutrina da ressurreição era o ponto mais sensí­vel no ensino cristão. Denotava o triunfo de Cristo sobre a morte e, por analogia, represen­tava a nova vida em Cristo que os crentes batizados desfrutam. Era também símbolo da esperança que o cristão tinha da vida eterna. Não deve haver adulteração com verdade tão vital como esta; daí a denúncia extrema à qual o apóstolo submete o ensino errôneo.

A Fundação Segura da Verdade (2.19)

O apóstolo não se prende a melindres quando se trata da estabilidade e segurança da igreja de Cristo, como demonstra nitidamente o versículo 19: Todavia, o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniqüidade. A analogia de um edifício ou templo fora, por muito tempo, a favorita de Paulo para apresentar a doutrina da igreja. O fundamento pode ser interpretado de maneiras diversas: refere-se à igreja como um todo ou aos membros experimentados e verdadeiros da congregação efésia. Em comparação com este fundamento robusto e resistente, os falsos mestres eram uma minoria instável. De acordo com a analogia de um edifício e sua fundação e base devidamente chum­bados, o apóstolo vê que o fundamento de Deus tem dois selos. Um selo, inspirado em Números 16.5, diz: O Senhor conhece os que são seus. Diante da rebelião de Cora, Moisés proclamou com estas palavras que Deus conhece e identifica os que são seus e, desse modo, defendeu a liderança de Moisés. Talvez Paulo tivesse em mente que Deus semelhantemente defenderia a liderança do apóstolo nesta situação em Éfeso. O segun­do selo — qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniqüidade — não é citação exata de passagem do Antigo Testamento. É, porém, tão semelhante a Números 16.26, que temos justificativa em pensar que Paulo tinha em mente esta situação antiga quando tratou do problema efésio. Rolston resumiu muito bem a significação dos selos quando escreveu: "A primeira marca do obreiro aprovado é a pureza doutrinária, o ma­nejo reto da palavra da verdade; a segunda marca é a pureza de vida". Estes dois testes de autenticidade nunca devem ser separados.